terça-feira, 19 de julho de 2016

Lúpus Artrite Corticóides Osteoporose.. Quem deve fazer o exame de Densitometria óssea?

Osteoporose 
Quem deve fazer o exame de densitometria óssea?

O médico pode recomendar, como medida preventiva e/ou diagnóstica, o estudo da densidade óssea pela técnica da densitometria óssea, caso o paciente se encaixe em alguma das situações abaixo:

*ser mulher e estiver próxima à menopausa;

*estar decidindo se vai fazer uso de estrógenos após a menopausa

*estar tomando corticóides para doenças como asma, artrite ou lúpus;

*ter hiperparatireoidismo primário;

*ter tido fratura recente em que se suspeita de osteoporose;

*estar monitorando a eficácia do tratamento da osteoporose;

*ser branca ou asiática, magra, baixa, com história familiar de osteoporose;

*fazer uso excessivo do álcool, cigarro ou café;

*ter dieta pobre em cálcio;

*estar imobilizado há muito tempo;

*apresentar mais de um fator de risco.

A densitometria óssea pediátrica é indicada para algumas patologias que atingem crianças e adolescentes. Outras indicações importantes do exame incluem necessidade de determinação do grau de perda óssea e de diagnóstico precoce de osteopenia/osteoporose na perimenopausa, pós-menopausa, menopausa cirúrgica (ooforectomia bilateral ? remoção dos dois ovários) e na amenorréia, principalmente nas situações descritas anteriormente.

Como prevenção (essencial para o sucesso do tratamento), o exame deve ser feito por todas as mulheres a partir dos 45 anos e por todos os homens a partir dos 55 anos. Considerações sobre os fatores de risco em conjunto com os dados da DMO são pontos chave para a determinação de riscos de fratura.

Os locais mais importantes para a realização do exame são o colo do fêmur (que mostra 75% de osso cortical), a coluna vertebral baixa (região lombar, que mostra 66% de osso trabecular) e os punhos, uma vez que as fraturas ocorrem com maior freqüência nesses locais. A seleção do local para exame é baseada nos possíveis efeitos da doença ou medicação em cada tipo de osso, pois é imensa a variação na composição óssea das várias partes do esqueleto. Por exemplo, a deficiência de estrógeno pode resultar numa perda mais rápida no osso trabecular do que no osso cortical logo, um exame na coluna fornece dados mais "verdadeiros" do que no colo do fêmur (Fernandes et al., 1999).

Os objetivos da avaliação de pacientes com risco de osteoporose são diagnosticar a doença com base na avaliação da massa óssea, estabelecer os riscos de fratura e tomar decisões sobre a necessidade de uma terapia. Saúde em Movimento.com.br

No Brasil o SUS instituiu este exame como gratuito, mas são poucos ainda os Estados que o realizam gratuitamente.

Autoras: Prof. Claudia Maria Oliveira Simões, Joseane Ganske de Carvalho e Marcília Baticy Monteiro Morais - UFSC

Protocolo Clinico Lúpus Eritematoso Sistêmico
Deve ser realizada densitometria óssea no início do tratamento.
O uso de bisfosfonados é recomendado para prevenir perda óssea em todos os homens e mulheres, nos quais o tratamento com GC em doses acima de 5 mg/dia ultrapassar 3 meses, ou nos pacientes que já recebem GC por tempo prolongado, nos quais o T-Score da densidade mineral óssea na coluna ou no quadril estiver abaixo do normal. 
Reavaliar anualmente o perfil lipídico e a densitometria óssea. 
O tratamento da osteoporose deve ser feito de acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose, do Ministério da Saúde.

Protocolo Clínico Osteoporose
CASOS ESPECIAIS
Pacientes com plano de início e manutenção de tratamento com glicocorticoides em dose superior a 5 mg de prednisona/dia ou equivalente por período igual ou superior a 3 meses têm indicação de tratamento e indicação de avaliação com o exame de Desentometria óssea uma vez por ano.

#SaúdeEmMovimento
#Osteoporose
#Corticóides
#Lúpus
#Artrite
#DesintometriaOsséa
#LúpusTemQueTerAtenção
#LúpusTemQueTerTratamentoAdequado
#LúpusTemQueTerPrevenção
#VivaBemComLúpus
#LúpusDireitoàVida
#LúpicosUnidosDeSãoPaulo
#Blogspot #LúpusLesLesƸӜƷ

Nenhum comentário:

Postar um comentário