terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Nefrite Lúpica (ou glomerulonefrite lúpica)

Nefrite Lúpica (ou glomerulonefrite lúpica) é o termo médico para a doença dos rins que ocorre no lúpus eritematoso sistêmico (LES). Estima-se que cerca de um terço dos pacientes com lúpus venha a desenvolver nefrite, o que requer uma avaliação médica e o respectivo tratamento. A nefrite lúpica é um sintoma importante e potencialmente grave no lúpus.

Curso Clínico da Nefrite Lúpica
Existem poucos sinais ou sintomas da nefrite lúpica. Ela não causa dor no abdômen ou nas costas, e nem dor ou ardor na hora de urinar. Na nefrite lúpica, a perda de proteína na urina pode levar à retenção de fluidos com ganho de peso e inchaço (edema). Isto pode resultar em inchaços nas pernas, tornozelos e/ou dedos. Esse inchaço é freqüentemente o primeiro sintoma da nefrite lúpica notado pelo paciente.
O curso clínico da nefrite lúpica é altamente variável. Normalmente a nefrite lúpica é evidente apenas através da análise da urina. Em muitos pacientes, as anormalidades urinárias são muito poucas e podem estar presentes em um exame e ausentes em outro logo a seguir. Este tipo de nefrite lúpica é muito comum e, geralmente, não requer uma avaliação médica ou tratamento especiais. Contudo, em alguns pacientes, as anormalidades na urina persistem e podem piorar após algum tempo. Pacientes com esse tipo de lúpus correm o risco de falência renal. Podem ser precisos exames adicionais para avaliar a extensão da doença e para determinar a melhor forma de tratamento.
É importante reconhecer que nem todos os problemas nos rins de pacientes com lúpus são devidos à nefrite lúpica. Por exemplo, infecções no trato urinário com sensação de ardor ao urinar são muitos comuns nos pacientes com lúpus e requerem um tratamento à base de antibióticos. Da mesma forma, medicamentos usados no tratamento do lúpus podem produzir sinais e sintomas de problemas nos rins que podem ser confundidos com a nefrite lúpica. Compostos de salicilatos, como a aspirina, ou drogas antiinflamatórias não esteroidais são os medicamentos mais comuns usados por lúpicos que podem causar problemas aos rins. Essas drogas podem causar diminuição da função renal ou retenção de fluidos. Esses problemas normalmente desaparecem quando a medicação é descontinuada.

Exames Para Avaliar a Nefrite Lúpica

Existem vários tipos de exames para avaliar o envolvimento dos rins de um paciente com lúpus.

Urinálise
O exame de urina é, de longe, o mais simples e mais comum método para avaliar a nefrite lúpica. Nesse exame, uma amostra da urina é analisada para verificar a presença de proteínas e células sangüíneas que não seriam encontradas numa amostra comum. As proteínas ou células sangüíneas podem se formar dentro dos túbulos dos rins, sendo excretadas na urina como "casts". "Casts" são identificados ao examinar a urina em um microscópio. A presença de proteína (proteinúria), hemácias (hematúria), leucócitos (leucocitúria) ou "casts" na urina, sugere a possibilidade da nefrite lúpica e geralmente indicam a necessidade de maiores exames.

Exames sangüíneos
A principal função dos rins é livrar o corpo de dejetos e do excesso de fluidos. Exames de sangue podem ser feitos para medir se os rins estão desempenhando esta função adequadamente. Uréia e Creatinina são dois exames usados para determinar se os dejetos estão sendo adequadamente removidos pelo rins e não estão se acumulando no sangue. A perda de proteína na urina diminui seus níveis no sangue, sendo tipicamente medida pela albumina. Desequilíbrios de sal e água no sangue são detectadas por exames químicos como os de sódio, potássio e bicarbonato.
Os exames de sangue também podem ser feitos para detectar anormalidades do sistema imunológico que são normalmente observados em pacientes com nefrite lúpica. Medir os níveis de Complementos (C3, C4) e anti-DNA no sangue, são exames comumente usados por muitos médicos para monitorar a nefrite lúpica.

Urina 24 horas
Os exames feitos na urina coletada num período de 24 horas são significativos para determinar o envolvimento renal no paciente com lúpus. Esses exames medem a habilidade dos rins de filtrar dejetos (Clearance de Creatinina), e a quantidade exata de proteína perdida na urina no período de 24 horas.

Exames de raio-X
O tamanho e formato dos rins pode ser determinado por uma pielografia. Esses exames são normalmente feitos antes de uma biópsia renal para ajudar o médico a realizar esse procedimento.

Biópsia renal
Uma biópsia renal pode ser realizada em pacientes com evidência de nefrite lúpica demonstrada pelos exames de sangue e urina. A biópsia é realizada para confirmar o diagnóstico e para determinar a extensão e a gravidade do problema renal. Essa biópsia requer internação do paciente. Normalmente é feita com a introdução de uma agulha através da pele nas costas do paciente para a retirada de um pequeno pedaço do rim. Em ocasiões muito raras, a biópsia precisa ser realizada cirurgicamente em uma sala de operações.
A amostra do rim obtida na biópsia é examinada em um microscópio para determinar quanta inflamação e/ou danos permanentes estão presentes nos rins. Esses resultados são usados para classificar o tipo de nefrite lúpica. Os quatro tipos mais comuns são: nefrite mesangial, nefrite proliferativa focal e segmentar, nefrite proliferativa difusa e nefrite membranosa. Conhecer o tipo de nefrite lúpica é importante para determinar a melhor forma de tratamento.

Tratamento
A terapia da nefrite lúpica deve ser individualizada, de acordo com as necessidades do paciente específico. Fatores como a quantidade de edema (inchaço), anormalidades urinárias, quantidade de proteína na urina, redução da função renal, além dos resultados da biópsia, devem ser levados em consideração na hora de decidir pelo tratamento. Princípios gerais de controle médico dos rins são extremamente importantes na nefrite lúpica. Isso inclui o uso de agentes diuréticos que ajudam a eliminar o excesso de fluidos, drogas contra a hipertensão para controlar a pressão sangüínea, e mudanças na dieta para controlar a ingestão de sal, proteínas e calorias.
As duas mais importantes formas de terapia usadas no tratamento específico da nefrite lúpica são corticóides para controlar a inflamação nos rins, e drogas imunossupressivas para diminuir a atividade do sistema imunológico.
Os corticóides, como Prednisona, Prednisolona ou Metilprednisolona (Medrol), são usados com freqüência para tratar da nefrite lúpica. Embora os corticóides tenham sido usados por quase quatro décadas no tratamento da nefrite lúpica, ainda existem muitas questões sem resposta, do tipo: como eles atuam e como podem ser usados de forma mais efetiva. No geral, altas doses de corticóides, tomadas por via oral ou intravenosa, são ministradas até que uma melhora seja verificada. A dose de corticóides é então lentamente diminuída até que uma cuidadosa observação médica determine que a nefrite não piore.
Altas doses de corticóides, ou mesmo quando ministrados por um longo período, podem causar uma série de efeitos colaterais. Eles incluem um aumento de apetite e retenção de fluido com conseqüente ganho de peso, inchaço na face, suscetibilidade a ferimentos, alterações de humor, além do aumento no risco de infecções e diabetes. Alguns desses efeitos colaterais podem ser minimizados pela mudança na dieta, como redução da quantidade de calorias seguida de uma dieta com baixo teor de sal.
Drogas citotóxicas ou imunossupressivas como a azathioprine (Imuran) ou ciclofosfamida (Cytoxan) são normalmente usadas em pacientes que não respondem ao uso de corticóides. Essas drogas bloqueiam as funções do sistema imunológico para prevenir maiores danos aos rins. Existe uma clara evidência em pesquisas de que essas drogas sejam benéficas para pacientes com grave nefrite lúpica. Contudo, o uso dessas drogas é controverso, principalmente devido às sérias complicações associadas ao seu uso.
Surgem várias terapias experimentais para a nefrite lúpica, sendo temas de intensa investigação. Essas terapias incluem o uso de novas drogas imunossupressoras como a cyclosporine, a remoção de anticorpos associados à nefrite lúpica através da plasmaferese seletiva, e a administração de agentes biológicos que suprimem o sistema imunológico.

Insuficiência Renal
Apesar do tratamento apropriado, alguns pacientes com nefrite lúpica desenvolvem uma progressiva perda da função dos rins com conseqüente insuficiência renal. Isso requer o suporte da função renal através do uso de diálise artificial, que pode ser feito através da hemodiálise, na qual o sangue passa em uma máquina de diálise para ser filtrado, ou através de um processo chamado diálise peritoneal, no qual o fluido é introduzido na cavidade abdominal e subseqüentemente removido. Finalmente, o transplante de rins tem obtido muito sucesso em pacientes com insuficiência renal causada pela nefrite lúpica, eliminando a necessidade da diálise artificial.
Nas últimas décadas têm havido muitos avanços na compreensão do que causa a nefrite lúpica e, principalmente, avanços nos métodos de tratamento dos pacientes.

Lupus Brasil



IMPORTANTE
  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.

Publicado por: Dra. Shirley de Campos

11 comentários:

  1. Eu postei essa matéria pois vi que algumas Amigas nossas que tem lúpus, não tem esse tipo de informação sobre a Nefrite e a perda de proteinas que as vezes temos e não sabemos como é possivel diaguinosticar, pois eu mesma quando descobri o LES passei por varios médicos e eles nem me pediram o exame de urina 24hs o de proteinuria, e com isso o meu caso só foi agravando , mesmo eu apresentando alguns sintomas que já indicavam algum proplema com os rins, pois já vinha apresentando palpebras inchadas, tornozelos inchados,só eu não tinha infecção na urina , e nem a minha uirna era espumosa.E com essas dicas fica ++ facíl para nós ficarmos atentas ♥♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sandra, estou lendo o que você escreveu e foi por acaso, pois tenho algum sintomas, que acredito ser LES, mas até agora nenhum médico diagnosticou, todos falam, você tem perda de proteína no sangue, e possui coloração diferenciada em partes da pele e isso pode ser estresse, devido excesso de trabalho. Ou então, mencionam que as diversas feridinhas na minha pele é devido depressão ( estou tomando remédio controlado ). Estes formigamentos, perdas de humor, perda de sono, irritabilidade, sensibilidade a sol e frio, pés e mãos geladas, são sintomas da ansiedade. Pois é já faz mais de 5 anos, já passei com milhares de médicos e estes só falam a mesma coisa, e estou com medo, pois agora eu urino toda hora, estou com falta de ar com frequência (todo dia uso a bombinha de corticoide), tenho dores no corpo todo, inclusive cabeça. Sei lá, foi um desabafo, boa sorte para você, que Deus te abençoe sempre e que lhe de saúde!

      Excluir
  2. Bom dia Sandra!. ?Foi exatamente por isso que eu redirecionei o post, pelo meu. Está bem completo. òtimo! Parabéns! Bjkas

    ResponderExcluir
  3. Olá Sandra, É muito bom ver que existem pessoas atentas em esclarecer dúvidas desta natureza. Eu própria gosto de estar informada já que tenho nefrite grau IV.Parabéns.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luisa,acabei de ler no blog q vc tem Nefrite, eu tenho Lúpus há muito tempo, tive muitos problemas nas articulações e passei por três cirurgias na coluna lombar. Mas o que atualmente está me deixando desesperada é a alteração renal, estou com perde de proteína, muito sangue na urina, consumo de complemento, anemia, pressão alta e diabts. Fiz uma biopsia renal, ainda não recebi o resultado, deve demoar uns 10 dias para sair. Alguem de vocês já teve complicações renais? Qual foi o resultado da Biopsia? Eu gostaria de ver um resultado de Biopsia para saber como é. Alguém poderia me ajudar. Agradeço de coração, pois estou muito assustada com essa alteração renal…
      Aguardo retorno! Obrigada…

      Lucimara: e-mail: lucimara.chaves@terra.com.br

      Excluir
  4. (Cidinha Maximo) e (Luisa Godinho), agradeço as suas palavras e fico Feliz em saber que de alguma forma pude ser util :) e eu tbm tenho Nefrite ++ agora graças a Deus esta controlado e espero que todas fiquem bem tbm Bjs ♥♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra,acabei de ler no blog q vc tem Nefrite, eu tenho Lúpus há muito tempo, tive muitos problemas nas articulações e passei por três cirurgias na coluna lombar. Mas o que atualmente está me deixando desesperada é a alteração renal, estou com perde de proteína, muito sangue na urina, consumo de complemento, anemia, pressão alta e diabts. Fiz uma biopsia renal, ainda não recebi o resultado, deve demoar uns 10 dias para sair. Alguem de vocês já teve complicações renais? Qual foi o resultado da Biopsia? Eu gostaria de ver um resultado de Biopsia para saber como é. Alguém poderia me ajudar. Agradeço de coração, pois estou muito assustada com essa alteração renal…
      Aguardo retorno! Obrigada…

      Lucimara: e-mail: lucimara.chaves@terra.com.br

      Excluir
    2. Oi Lucimara eu tive Nefrite sim + eu nunca fiz Biopsia,infelizmente não poderei te responder como é essa avaliação.+ da uma olhadinha aqui vi que tem uma tabela http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0482-50042004000400005&script=sci_arttext

      Excluir
  5. Anônimo7/8/13 03:03

    P/ Sandra Stel...vc sabe dizer com qual tipo de medicação conseguiu controlari
    "Já perdi as contas das medicações que utilizei"...
    Muito Obrigada

    ResponderExcluir
  6. Oi, a minha filha tem LES e Nefrite a pouco tempo ela fez a biopcia e deu Glomerulonefrite proliferativa mesangial e com esclerose focal classe 3. Ela fez a 1ª pulsoterapia e depois de uns 20 dias ela vai fazer os exames para saber se o Rins dela esta correspondendo o tratamento.

    email. monee.16@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Oi pessoal, eu descobri a doença em janeiro. Estou em tratamento ainda, Fiz pulso mensal, durante 6 meses e agora faço as manutenções, de três em três meses, até completar 2 anos de tratamento. Comecei com 60 mg de prednisona via oral, agora só tomo 10 mg. E a cada pulso, tomava 3000 mg de cortisona. Meu cabelo caiu todo, estou inchada devido aos corticoides, mas sei que assim que saírem do organismo, volto ao normal. O cabelo já está crescendo e não caiu mais, foi somente na primeira sessão, que foi uma dosagem muito alta de imunossupressores. Mas fui disciplinada, procurei uma nutricionista, faço acompanhamento e me elimento direitinho, Tirei o sal da minha vida, como pouquíssimo sódio, somente o necessário para o organismo. Faço atividade física 4 vezes na semana, pilates e musculação terapêutica e ainda drenagem linfática no rosto e pescoço, pra ajudar a desinchar mais rápido. Já voltei à trabalhar, tenho uma vida normal. Ah, e o principal, tomo de três à quatro litros de água por dia. Meu tratamento está indo muito bem, até o fan dá não reagente. A creatinina, consegui chegar à 1,4. Quando descobri a doença, estava no quarto grau e a creatinina 4,0, o que é considerado gravíssimo. Ficam aqui minhas dicas, fazendo tudo certinho, no final vc tem bons resultados e vida normal. O inchaço, esse demora de 6 à 8 meses pra passar, mas passa. Espero ter dado esperanças e ajudado à quem tem o mesmo problema que eu. Lembre-se, é difícil durante o tratamento, mas fazendo tudo certinho, no final dá certo. Abrsços em todos. Luciana

    ResponderExcluir